Saída de defensores de livre comércio da Casa Branca aumenta risco de retaliação

NOVA YORK – A decisão do presidente Donald Trump de impor tarifas ao aço e alumínio importados e as recentes mudanças na equipe da Casa Branca aumenta a chance de uma guerra comercial global, e é preciso ficar alerta, porque, pelo menos para um analista, isso pode significar o reaparecimento da inflação.

— Ficamos muito tempo com 0% de chance de uma guerra comercial, mas agora está mais alto do que isso, provavelmente significativamente mais alto do que isso — afirmou Matt Maley, estrategista de ações da Miller Tabak. — Os internacionalistas perderam, e os nacionalistas ganharam.

Não faltaram notícias na Casa Branca na semana passada. Gary Cohn deixou o posto como principal consultor econômico de Trump; foram impostas sobretaxas ao aço e alumínio importados; Trump demitiu seu secretário de Estado, Rex Tillerson; o governo decidiu buscar taxar importações chinesas para compensar roubo de propriedade intelectual. Além disso, a proposta de compra da americana Qualcomm pela Broadcomm, baseada em Cingapura, foi barrada por uma ordem executiva de Trump.

Com tudo isso para digerir, os mercados estão enfrentando uma questão fundamental: o risco de uma guerra comercial aumentou?

Luca Paolini, estrategista-chefe da Pictet Asset Management, avalia que, se a chance de uma guerra comercial mundial era de 10%, ela subiu para 15% após a demissão do secretário de Estado, Rex Tillerson:

— Ainda é um tanto baixa (a probabilidade de guerra comercial), mas não podemos descartá-la.

Maley concorda. Enquanto não há garantia de uma escalada drástica nas tensões, as relações comerciais estão sujeitas a deteriorar ao passo em que os EUA adotam uma postura mais protecionista, afirma. E se uma guerra comercial se confirmar, isso poderia ajudar a reacender uma inflação que está insistentemente baixa desde a recessão.

— Quando você eleva tarifas, isso aumenta os custos dos produtos que estão entrando no país — explica Maley. — Isso pode ajudar os produtores locais no longo prazo, mas no curto prazo isso eleva os preços. Guerras comerciais são inflacionárias.

Há visões fortemente divergentes sobre a probabilidade deste cenário. O investidor internacional Mark Mobius, em entrevista à Bloomberg TV, chamou de exageradas as afirmações sobre uma guerra comercial.

Já o presidente e diretor executivo da Business Roundtable — associação de executivos de empresas americanas —, Joshua Bolten, acredita que o plano de elevar as tarifas é uma “receita para desastre e guerra comercial em cascata”.


Leia a notícia completa em O Globo Saída de defensores de livre comércio da Casa Branca aumenta risco de retaliação

O que você pensa sobre isso?