Fundador do PSDB, Arthur Virgílio avalia deixar o partido após 30 anos e formar um novo


Fundador do PSDB, ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República no governo de Fernando Henrique Cardoso e líder da oposição no Senado ao governo do ex-presidente Lula, o o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio, afirma que o resultado das eleições no primeiro turno pôs sua legenda num papel secundário e que está pouco esperançoso com o futuro do partido. Virgílio avalia abandoná-lo após quase 30 anos se os deputados eleitos no domingo (7) aceitarem cargos em troca de apoio a projetos do governo de Jair Bolsonaro, que considera estar eleito. O tucano afirma haver espaço para a criação de um novo partido formado por dissidentes cansados da mesmice da legenda e do estilo do presidente da sigla, o ex-governador de São Paulo e candidato derrotado da legenda, Geraldo Alckmin. “Estou conversando com gente que está sufocada no partido e também pessoas de fora do PSDB”. A seguir os principais trechos da entrevista: O que marca o segundo turno das eleições?A polarização. Podia ter sido polarizada entre um deles (PSL ou PT) e o centro. Mas o centro não se mostrou capaz da grandeza de se reunir. Qual foi o recado mandado pelos eleitores no primeiro turno?O eleitor mostrou que deu um voto de confiança no escuro. Votou em pessoas que não conhecia. O eleitor vai vigiar e cobrar tudo isso. Há algo alvissareiro: 55% de renovação na Câmara dos Deputados. Não adiantou aquela lei que facilitava para os presidentes dos partidos ficarem com todo o dinheiro e darem para deputado amigo se eleger. Muitos deputados amigos dos presidentes dos partidos não se elegeram. Agora haverá uma triagem pelo próprio povo. As próximas eleições, espero, mostrarão um alto nível de normalidade, apesar de alguns arranhões que teremos até lá. Qual o resultado mais surpreendente das eleições no primeiro turno?O de Romero Jucá (senador do MDB que tentou a reeleição) em Roraima. Passou o ano inteiro na frente (pesquisas). Aí perde por 400 votos. O Romero tem aqueles defeitos que a gente conhece, mas colocou Roraima no cenário. Vai ser uma luta para conseguir liberar uma emenda. Ele entupia de dinheiro a prefeitura de Boa Vista. E a prefeita (Teresa Jucá, ex-mulher de Romero Jucá) ficará sozinha às voltas com essa leva migratória de venezuelanos. Qual foi o motivo da derrota de Jucá?Ele foi um dos principais porta-vozes do Michel Temer, o presidente mais impopular da história. Jucá até abriu mão da liderança do governo recentemente, mas não adiantou. Veja o caso do Renan Calheiros (senador do MDB de Alagoas). Parece que combinadamente fez aquela briga, se separou e passou a fazer aquela “oposição” ao Temer. E a fazer jogo populista de condenar o teto de gastos: “vamos atender aos procuradores, vamos atender aos advogados”. Nada de austeridade, nada de reforma previdenciária. E retoricamente criticava o governo do Temer. Ajudou muito o filho (Renan Filho) que se elegeu governador de Alagoas. E Renan Filho ajudou a puxar o pai. E na esfera presidencial?Já temos, a rigor, um presidente: é o Bolsonaro (Jair). Cabe a ele tocar as reformas, organizar o governo de alto nível, cumprir o compromisso de fazer uma gestão honrada: plural, que não seja homofóbico, que não seja antagônico às mulheres e democrático. O que aconteceu com seu partido, o PSDB, nas eleições?Estou tentando decifrar. Tudo o que falei que ia acontecer, aconteceu. Não fez dois dígitos (Geraldo Alckmin teve 4,7% dos votos), não ganha, não passa para o segundo turno. Vai tornar o partido secundário. Geraldo não poderia ser candidato a presidente da República sendo presidente do partido. Foi terrível. O Geraldo praticamente me escorraçou do partido só porque eu queria disputar prévias com ele. Geraldo não foi fraterno nem companheiro comigo. Ele não entendeu que eu antevia o que aconteceria. Os debates fortaleceriam o partido. Falei para o Geraldo que eu não ganharia dele nas prévias. E ele ainda ganharia meu apoio. Acho que falei para ele que a gente teria chances de liquidar fenômenos como o Bolsonaro com as prévias. Por que acha que ele se recusou?O Geraldo teria de ouvir perguntas amargas do povo. O que faz com Aécio Neves? O que faz com os novos implicados? Seria uma preparação. Mas ficou uma geleia geral. Partido deixou de existir. Havia uma mensagem do povo de que ia tirar quem fosse do PSDB. Fizemos 29 deputados. O PSDB, assim como outros partidos, virou motel, um entra e sai de deputados. Alckmin foi excludente e caciquista. Ele achou que ganharia com aquele tempo de TV magnífico, com o apoio de todos aqueles partidos. O partido virou um estepe, um sobressalente. Onde estavam esses partidos (centro) quando Alckmin perdeu? Estavam perfilados com o Geraldo? Alguém apareceu para se solidarizar? Nada. A maioria deles já estava com o Bolsonaro, alguns com Fernando Haddad. Terminou (Alckmin) com quatro pontos. Eu jamais traí Alckmin, mesmo votando em Marina. Fui dissidente, jamais traidor. Qual será o futuro do partido? Estou pouco esperançoso. Geraldo continua presidente da legenda. Vai ficar entre Brasília e São Paulo despachando. Vai virar cacique de partido. O Geraldo até já brigou com o Doria porque o ex-prefeito (São Paulo) disse que o partido precisava fazer uma revisão a partir do fracasso de 2018. Aquele Geraldo calmo, tranquilo, se descontrolou. Só faltou bater no rapaz (Doria). Não vejo revolução nenhuma no partido nem quem queira uma revolução. Estou vendo manutenção do “status quo”. Alguma coisa tem de acontecer. Se não daqui a pouco o PSDB estará brigando por cláusula de barreira (sem direito a recursos do fundo partidário e tempo de televisão). E qual será seu futuro no PSDB? Eu aguardo o fim do segundo turno. Vou conversar com pessoas. Não há porque excluir a hipótese de um novo partido. Se os deputados eleitos pelo PSDB começarem a avançar no próximo governo sobre Petrobras e ministérios, aí já não cabe mais para mim. Meu deadline é saber se vão negociar apoio em troca de cargos. Se fizerem isso, estou fora. Não sei nem se já renunciei ao posto que me deram no partido. Se não renunciei, vou renunciar. Então há chances de os dissidentes criarem um novo partido?O que dá para dizer é que não dá para ficar como está. Tem muita gente que está sufocada ali. Tem gente que está querendo reviver o que era o partido, longe das benesses palacianas e perto do pulsar do povo. Alguns querem que o partido volte a ser respeitado. A gente era respeitado até pelos petistas. O partido era formado por gente preparada, gente culta. A eventual vitória de alguns tucanos no segundo turno, como João Doria em São Paulo, poderia mascarar essa necessidade por reforma?Não vejo assim. Não vejo mudança de humor da sociedade em relação ao partido. E o PT? Como sai das eleições?O PT sai melhor que o PSDB e como um dos polos da política brasileira graças à martirização feita pelos militantes de uma figura que está condenada por motivos banais. Lula é um preso comum e dá ordem do cárcere do mesmo jeito que o Fernandinho Beira-Mar e o Marcola (Marco Willians Herbas Camacho) dão ordens. Ele transmite ordens e isso prejudica o Fernando Haddad, que é uma pessoa boa de conversar. Mas o Haddad fica diminuído desse jeito. O PT teve algumas vitórias eleitorais, principalmente no Nordeste. A bancada do PT será forte. Terá muitos oradores na tribuna e fará uma oposição renhida ao Bolsonaro. A oposição será no estilo da que fizeram com o Fernando Henrique (1995 a 2002). O fato é que haverá dois polos: um em torno de Bolsonaro, por causa de seu carisma, e outro em torno do PT. O Ciro Gomes (PDT) – não gosto de ouvir muita coisa do que ele fala – conseguiu uma votação expressiva, respeitável. Mas polos serão Bolsonaro e o PT. O PT é polo desde 1989. O PSDB deixou de ser polo em 2018. Entregamos (PSDB) o nosso lugar.
Leia a notícia completa em O Globo Fundador do PSDB, Arthur Virgílio avalia deixar o partido após 30 anos e formar um novo

O que você pensa sobre isso?