Cannes: Depois do polêmico 'Sexo', de 2015, Gaspar Noé leva a festival 'delírio satânico' com 'Climax'

CANNES — Gaspar Noé pareceu quase decepcionado com a reação majoritariamente empolgada ao filme que estreou no Festival de Cannes nesta semana. O diretor argentino se orgulha da fama de provocador que conquistou com títulos como “Irreversível” (2002), no qual Monica Bellucci passa por uma cena de estupro de 9 minutos, “Viagem alucinante” (2009), que mergulha nas drogas, e “Love” (2015), que traz cenas reais de sexo em 3-D. (Veja a programação completa de do Festival de Cannes 2018).

LEIA MAIS: Drama de sexo explícito em 3D, “Love” dividiu Cannes em 2015

Agora ele levou “Climax” a Cannes, um filme que Peter Bradshaw, crítico do jornal britânico “Guardian”, descreveu como um “delírio satânico de sexo e desespero de uma trupe de dança”. A equipe de Noé o alertou para esperar a reação mais dura da imprensa até hoje.

“Meu agente me anunciou que será muito mais duro para este filme do que para ‘Love’ ou ‘Viagem alucinante'”, disse Noé à Reuters em uma praia da cidade francesa. Trailer de “Climax”, de Gaspar Noé

“Tivemos 75% de cobertura negativa para ‘Viagem alucinante’ e 85% de cobertura negativa para ‘Love’. Eu (disse que) espero 90 a 95% (para ‘Climax’), mas o vento soprou na outra direção, a maior parte da cobertura está extremamente boa.”

A premissa do filme é simples. Uma trupe de dançarinos jovens está fazendo uma festa pós-ensaio que começa a se tornar desagradável quando percebem que alguém batizou o ponche com LSD.

“É uma noite de farra ruim”, conta Noé, de 54 anos. “Começa como uma coisa alegre… uma coisa que deveria ser ótima fica horrível”, disse. Embora exista violência e horror de sobra em “Climax”, o elenco de dançarinos de primeira categoria de Noé faz apresentações incríveis filmadas por uma câmera giratória — às vezes de cabeça para baixo — que é hipnotizante e desconcertante.

Mas nem todas as críticas foram elogiosas. Owen Gleiberman, da revista americana “Variety”, disse que foi “como assistir ‘Fama’ dirigido pelo Marquês de Sade com uma Steadicam”.

CONHEÇA TODOS OS FILMES EM COMPETIÇÃO

“En guerre” , de Stéphane Brizé: Engajado ‘En guerre’ aborda a precarização do trabalho

“Asako I & II (Netemo Sametemo)”, de Ryusuke Hamaguchi: História de amor japonesa

“Ash is purest white”, de Jia Zhang-ke: Chinês Jia Zhang-ke produz seu filme mais ambicioso e lança centro de artes

“Burning”, de Lee Chang-dong

“BlacKkKlansman”, de Spike Lee: Cannes: Filme de Spike Lee sobre a Ku Klux Klan é aplaudido de pé

“Capharnaüm”, de Nadine Labaki

“Cold War”, de Pawel Pawlikowski: Romance ambientado na Polônia comunista desponta como candidato à Palma de Ouro

“Dogman”, de Matteo Garrone

“Everybody knows”, de Asghar Farhadi: Filme de diretor iraniano que abre Cannes não entusiasma

“Les filles du soleil” , de Eva Husson: Filme sobre mulheres que lutam contra o EI divide crítica em Cannes

“Lazzaro Felice”, de Alice Rohrwacher: Filme italiano causa sensação na sessão de gala

“Le livre d’image”, de Jean-Luc Godard: Godard participa de coletiva de imprensa via internet em Cannes

“Knife + heart”, de Yann Gonzalez

“The little one”, de Sergey Dvortsevoy

“Plaire aimer et courir vite”, de Christophe Honoré: Christophe Honoré volta a Cannes com romance melancólico entre dois homens

“Shoplifters”, de Hirokazu Kore-eda: Em ‘Shoplifters’, Kore-eda retrata família informal no Japão

“Leto”, de Kirill Serebrennikov: Cadeira vazia em coletiva marca ausência de diretor russo preso

“3 faces”, de Jafar Panahi: Ausente em Cannes, Jafar Panahi é personagem de ‘3 faces’, seu novo filme

“Under the Silver Lake”, de David Robert Mitchell: Diretor de ‘Corrente do mal’ apresenta filme protagonizado por Andrew Garfield

“The wild pear tree”, de Nuri Bilge Ceylan

“Yomeddine”, de A.B Shawky: Filme com atores não profissionais sobre o interno de um leprosário emociona


Leia a notícia completa em O Globo Cannes: Depois do polêmico ‘Sexo’, de 2015, Gaspar Noé leva a festival ‘delírio satânico’ com ‘Climax’

O que você pensa sobre isso?