Viúva de PM morto em Botafogo pede 'investigação incessante' e desabafa: 'Não vamos mais nos calar'

rafael-estevao.jpg

RIO — A viúva do cabo Rafael da Silva Estevão, morto na noite de quarta-feira durante uma tentativa de assalto em Botafogo, na Zona Sul do Rio, usou seu perfil no Facebook para fazer um desabafo. Viviane Arruda pediu uma “investigação incessante” e “respostas rápidas” para as mortes de 53 policiais no estado somente este ano — 51 PMs e dois agentes da Polícia Civil — e afirmou: “Não vamos mais nos calar”. conteudos-pm-morto

LEIA MAIS:

Rio tem o 51º policial militar morto no estado apenas neste ano

Delegado aposentado e filha são baleados por criminosos na Urca

Militares fogem a pé após serem surpreendidos por bando da Vila do João, na Maré

No texto, a viúva destacou, ainda, que “Estevão morreu defendendo você, cidadão, e lutando por sua própria vida ao ser reconhecido como policial”. Viviane também convocou colegas de farda do marido para fazerem uma carreata, na manhã desta sexta-feira, do Méier, na Zona Norte, até o Cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap, na Zona Oeste, onde o militar será enterrado, às 11h15.

A mulher finalizou a postagem com trechos de passagens da Bíblia e a frase: “Homenagem aos que tombaram nessa guerra”.

Estevão foi morto na Rua Dezenove de Fevereiro. Ele era lotado no Centro Integrado de Comando e Controle e saía do carro quando foi surpreendido por bandidos. Ele tentou se desvencilhar do assaltante, mas um um outro bandido, também armado, disparou diversas vezes. O cabo foi atingido nas costas e morreu no local.

Na madrugada desta sexta-feira, mais um PM morreu no Rio. O sargento Eduardo da Silva Dias, de 48 anos, havia sido baleado na cabeça durante uma tentativa de assalto em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, na noite desta quinta. Ele chegou a ser socorrido para o Hospital Geral de Nova Iguaçu, mas não resisitiu aos ferimentos.


Leia a notícia completa em O Globo Viúva de PM morto em Botafogo pede ‘investigação incessante’ e desabafa: ‘Não vamos mais nos calar’

O que você pensa sobre isso?