Toffoli assume Presidência da República com viagem de Temer a Nova York 


Presidente do Brasil vai fazer discurso de abertura da Assembleia Geral da ONU. Eunício e Maia também viajam ao exterior para não correrem risco de ficarem inelegíveis. Temer e Toffoli durante a transmissão do cargo neste domingo (23)
Cesar Itiberê/Presidência da República
O recém-empossado presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, cumpre agenda no Palácio do Planalto nesta segunda-feira (24) pela 1ª vez. Ele assumiu interinamente a Presidência da República no domingo (23) com a viagem de Michel Temer para da Assembleia Geral das Nações Unidas em Nova York.
O presidente do Supremo é o quarto da linha sucessória. Como o país está sem vice-presidente, o segundo sucessor seria o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). O terceiro seria o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE). Os dois, no entanto, também saem do país quando Temer viaja porque podem ficar inelegíveis caso assumam a Presidência. Ambos são candidatos à reeleição.
De acordo com a assessoria de Eunício Oliveira, o emedebista fará uma viagem particular para a Argentina. O mesmo destino foi escolhido por Rodrigo Maia, segundo a assessoria do deputado.
Toffoli assume presidência durante viagem de Temer
Assembleia da ONU
Como tradicionalmente acontece, o chefe do Executivo brasileiro fará o discurso de abertura da assembleia. O Itamaraty não antecipou os temas que Temer deve abordar durante o pronunciamento.
No entanto, de acordo com o subsecretário-geral de assuntos políticos multilaterais, Europa e América do Norte, Nelson Tabajara, o multilateralismo é um dos aspectos que devem ser citados ao longo do discurso.
A defesa de uma reforma do Conselho de Segurança das Nações Unidas é outro tema que deve estar na pauta.
Antes do discurso, Temer terá uma breve conversa com o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres.
Colômbia
Durante a participação na Assembleia Geral da ONU, Michel Temer terá uma reunião com o presidente da Colômbia, Iván Duque, eleito em junho deste ano.
Essa será a única agenda bilateral prevista até o momento durante a viagem aos Estados Unidos. O encontro foi um pedido dos colombianos e deve ocorrer antes de reunião de presidentes do Mercosul, na próxima terça-feira (25).
O país vizinho tem recebido a maior parte de imigrantes da Venezuela. No mês passado, o país concedeu permissão para 440 mil venezuelanos em situação irregular permanecessem na Colômbia por dois anos.
Conselho de Segurança e migração
O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, vai participar de encontro do chamado G4, grupo formado por Brasil, Alemanha, Índia e Japão, que defende uma reforma na composição do Conselho de Segurança da ONU. Os quatro países querem assento permanente no colegiado.
“Queremos retomar uma dinâmica maior e começar a fazer propostas mais concretas. Esse tema tem vários grupos e várias fórmulas que correm paralelamente ao G4. Mas achamos que a nossa é representativa, cobre países importantes que deveriam estar no conselho de segurança”, disse Tabajara, durante entrevista a jornalistas na última sexta-feira (21).
O tema da migração será foco de outro evento no âmbito das Nações Unidas, o chamado “Road to Marrakesh”, prévia de uma conferência internacional no Marrocos, em dezembro, sobre o assunto. O chanceler Aloysio Nunes representa o Brasil nessa agenda.
Leia a notícia completa em G1 Toffoli assume Presidência da República com viagem de Temer a Nova York 

O que você pensa sobre isso?