TCU nega pedido para tornar indisponíveis bens da JBS

INFOCHPDPICT000068289154 (3)

BRASÍLIA — O Tribunal de Contas da União (TCU) negou na tarde desta quarta-feira pedido apresentado pela Advocacia-Geral da União (AGU) para tornar indisponíveis bens do Grupo JBS e de seus responsáveis. O relator dos processo envolvendo a empresa, ministro Augusto Sherman, rejeitou a cautelar da AGU, alegando um bloqueio poderia causar causar um prejuízo à companhia e prejudicar a devolução de recursos para reparar os danos ao erário.

Auditorias realizadas pelo Tribunal apontam que o BNDES teve prejuízo de R$ 5 bilhões (em valores corrigidos) nas operações de crédito à JBS, entre 2005 e 2014, quando o grupo expandiu seus negócios, adquirindo empresas internacionais no ramo de frigoríficos. O resultado dessas auditorias não foram julgados na sessão de quarta-feira, embora elas sejam citadas no processo.

Segundo as áreas técnicas do TCU, o prejuízo do banco público é quase o triplo do valor que a JBS se comprometeu a restituir para reparar integralmente os danos causados ao BNDES, de R$ 1,75 bilhão.

“Desta forma, caso a JBS S.A. não logre êxito em sua tentativa de alienar empresas do Grupo Empresarial para melhorar o caixa da empresa, conforme amplamente noticiado na mídia, o frigorífico poderia recair em insolvência, prejudicando até o pagamento do compromisso assumido no acordo de leniência (de R$ 10 bilhões no total). Tem-se, portanto, a possibilidade de ocorrência do periculum in mora reverso”, disse o relator.


Leia a notícia completa em O Globo TCU nega pedido para tornar indisponíveis bens da JBS

O que você pensa sobre isso?