Seleção feminina vence o Japão, mas é eliminada no seu pior Mundial de vôlei em 16 anos


A eliminação precoce — mesmo com vitória por 3 a 2 sobre o Japão nesta quinta-feira — marca a pior campanha da seleção feminina no Mundial de vôlei em 16 anos. Nas últimas três edições do torneio, o Brasil chegou ao pódio: foi bronze em 2014, quando superou a Itália na decisão pela medalha, e prata em 2010 e 2006, com derrotas na final para a Rússia por 3 a 2. Desta vez, ficou em sétimo lugar e sequer avançou à terceira rodada.O confronto decisivo desta quinta, em que o Brasil precisava vencer por 3 sets a 0 para avançar, começou com boa exibição das brasileiras, que chegaram a abrir 22 a 17 no primeiro set. Mas a virada das japonesas, que fecharam a parcial em 25 a 23, além de ter eliminado do time de José Roberto Guimarães, causou dano psicológico evidente. No segundo set, um passeio das donas da casa: o set terminou em 25 a 16.Vôlei e outros 11.10O equilíbrio foi retomado no terceiro set, com vitória apertada por 28 a 26. Mas a virada, construída com um 25 a 21 no quarto set e um 15 a 11 no tiebreak, não adiantou. O Brasil foi eliminado pelo Japão no saldo de sets.— É difícil avaliar agora depois do jogo, com a cabeça quente, em uma partida difícil. A gente sabia que só o 3 a 0 servia, e isso afetou nosso desempenho — avaliou Fernanda Garay. — Pensando no ciclo olímpico, temos que trabalhar, melhorar muito. Hoje em dia, não tem mais bobo no voleibol.A última participação frustrante da seleção havia sido no Mundial de 2002, disputado na Alemanha, quando o Brasil ficou em sétimo lugar. Naquele ano, porém, o treinador Marco Aurélio Motta sofreu boicote por parte das jogadoras, que estranharam seu método de trabalho em comparação com o antigo treinador, Bernardinho — ele se transferira para a seleção masculina e venceu o mundial daquele ano, na Argentina.Marco Aurélio não pôde contar com cinco titulares e, portanto, levou uma equipe jovem e sem experiência. Desta vez, José Roberto Guimarães teve as melhores à disposição, mesmo com problemas físicos — a central Fabiana e a oposta Sheilla, que estiveram em Milão-2014, se aposentaram da seleção após a eliminação, também precoce, nos Jogos do Rio, em 2016. Até o último minuto, por exemplo, ele teve dúvidas em relação à ponteira Natália, que tem tendinite crônica no joelho esquerdo e passou por fase extensa de recuperação. Só foi confirmada às vésperas da estreia, já no Japão. Com a competição em andamento, Fernanda Garay teve problemas nas costas e não entrou em quadra contra o México, três dias atrás, mas foi para o sacrifício contra a Holanda, na rodada anterior.A lista de recuperadas incluiu ainda a central Thaísa (rompeu parcialmente o ligamento do joelho esquerdo e operou há dez meses), que ainda não está no ritmo das demais. Já a líbero Suelen (operou a mão direita após fratura do dedo anelar), a líbero Gabiru (rompeu o ligamento do joelho direito, em outubro de 2017), a ponta Gabi (operou uma lesão no tendão patelar do joelho direito em setembro de 2017) e a ponteira Drussyla (fraturou a mão direita em junho) se recuperaram na fase de preparação. Além da levantadora Dani Lins, que não jogou na temporada passada para ser mãe e voltou ao batente em maio. Ainda assim, o time teve tempo de treinamento, após o quarto lugar na Liga das Nações, encerrada no início do julho.Instável na competição, o Brasil chegou a tomar uma virada da equipe da Alemanha e perder um set para a fraca seleção do México, na segunda fase, placares que fizeram falta no final das contas. À distância parece que o Brasil se cobrava demais pelas atuações abaixo do esperado. E o resultado foi pressão, jogo preso até contra rivais sem tanto gabarito. A seleção feminina, bicampeã olímpica em Pequim-2008 e Londres-2012, nunca venceu o Mundial e cometeu erros demais.DUELOS DA PRÓXIMA FASECom a vitória sobre o Brasil, o Japão avançou em segundo lugar no grupo E, que teve a Holanda como líder e a Sérvia, em terceiro. Já na chave F, a Itália terminou em primeiro, e China e Estados Unidos também conseguiram vagas.JOGOS DA ÚLTIMA RODADAGrupo EMéxico 1 x 3 Porto RicoAlemanha 0 x 3 República DominicanaHolanda 3 x 0 SérviaJapão 2 x 3 BrasilGrupo FBulgária 3 x 0 AzerbaijãoTurquia 3 x 1 TailândiaItália 3 x 1 Estados UnidosChina 3 x 1 Rússia
Leia a notícia completa em O Globo Seleção feminina vence o Japão, mas é eliminada no seu pior Mundial de vôlei em 16 anos

O que você pensa sobre isso?