'Quero que meu filho seja americano', repetem grávidas de caravana de migrantes


ARRIAGA, México – Anda devagar, às vezes ziguezagueando no asfalto fervente. Marisol Hernandez, de 23 anos, diz que se sente tonta, mas determinou que seu filho nascerá em cerca de seis meses nos Estados Unidos. Marisol, que compareceu a uma loja de roupas, decidiu se juntar ao contingente de quilômetros de pessoas que fugiram da violência e da pobreza em Honduras para buscar refúgio no país mais poderoso do mundo.

Ela tomou a decisão quando “os membros da gangue” mataram seu marido com um tiro dois meses atrás, na porta de sua casa, quando ele voltava de um prédio onde era pedreiro.

— Ele se recusou a trabalhar como extorsionista (da gangue) — lembra ela.

No dia seguinte, ela recebeu ameaças de que estava sendo perseguida. Não quis investigar se os carrascos de seu marido sabiam sobre sua gravidez. Durante as duas últimas semanas, dormiu no chão, nem sempre sob algum teto, e andou cerca de dez horas por dia, quando não conseguiu entrar em caminhões que levam os migrantes por poucos quilômetros de graça.

Caravana_2910Ao caminhar por uma curva íngreme da comunidade de Las Arenas, no município de Arriaga, Marisol — que deixou dois filhos com a avó “porque mal posso alimentá-los” — confessa que às vezes pensa em ceder.

— Às vezes eu quero voltar (para Honduras) porque acredito que nem eu nem a criança (que espera) suportará a viagem aos Estados Unidos — diz, quase sussurando enquanto descansa dos vários quilos que carrega.

Como ela, há dezenas de mulheres grávidas na caravana de migrantes que agora viajam por uma jornada mais longa.

Na sexta-feira passada, a maior parte dos indocumentados votou em Arriaga em favor de fazer uma parada na Cidade do México para solicitar um documento que lhes permitisse viajar livremente no país. Essa reviravolta os tirará da rodovia que faz fronteira com o Pacífico mexicano e chega à Baixa Califórnia, na fronteira com o estado da Califórnia.

Marisol gradualmente recupera forças. Ele quer que seu terceiro filho “seja americano”. Sonha que será “licenciado em alguma coisa, estudando, falando inglês, com conhecimentos de informática e essas coisas”. Acredita que esta é a chave para que seu filho esteja longe de ser um “parasita”, como chama os membros de gangues de seu país, que geralmente recrutam pessoas sob ameaças de morte desde a infância.

Também está claro que ela não quer ficar no México, apesar da oferta feita pelo presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, já que ele condicionou o refúgio à permanência nos estados empobrecidos e principalmente indígenas de Oaxaca e Chiapas.

— Seria como viver em Honduras! — diz Marisol, antes de voltar a caravana que por alguns momentos parou em um posto policial.

A ONU calcula que a caravana tenha cerca de 7 mil pessoas, sobretudo hondurenhos, mas os coordenadores estimam que agora são cerca de 4 mil. .

Quase 50 grávidas

Não se sabe quantas mulheres grávidas estão no grupo, mas Marisol disse ter ouvido médicos voluntários falarem em 42.

— Sim, nós temos visto algumas grávidas, mas nem todas se aproximam. Parece que têm desconfiança, talvez pensem que vamos tirá-las do grupo — disse Julio Mendoza, de 33 anos, membro das brigadas médicas, na cidade de Huixtla.

Julia Martinez, uma enfermeira que distribui vitaminas entre mulheres que saíram de um escritório improvisado, diz que viu grávidas de “12, 15, 30 semanas de gestação”.

Delmer Roxana Martínez, uma salvadorenha magra de 29 anos, também está grávida e estava viajando com seu marido, primo e filho de três anos. Precisa fazer uma ligação para encontrar o marido “que perdeu de vista durante uma das paradas”. Ao lado de uma oficina mecânica na estrada, Delmer, que trabalhava como cozinheira, espera por ele: tem certeza de que irá encontrá-lo.

— Deus sabe que não é por causa da ambição. Seria um benefício para a família se a criança de três meses nascesse nos Estados Unidos — diz Delmer, que deixou outra filha, de 9 anos, em San Salvador.

Em uma rua em Jijijiapan, outra parada da caravana em Chiapas, Stephanie Guadalupe Sánchez, uma adolescente de 15 anos, anda com dificuldade com sua barriga de sete meses de gestação.

— Eu quero um bom trabalho e um futuro para meu filho. Teria uma vida melhor se vivêssemos lá nos Estados Unidos — diz Stephanie, antes de interromper a conversa para ir para sua casa temporária, um pequeno espaço na praça da cidade.


Leia a notícia completa em O Globo ‘Quero que meu filho seja americano’, repetem grávidas de caravana de migrantes

O que você pensa sobre isso?