PT vai retomar campanha para soltar Lula e vê vitória de Bolsonaro como consolidação do golpe


SÃO PAULO — Com medo de uma piora das condições na cadeia com o governo de Jair Bolsonaro (PSL), o comando do PT pretende iniciar uma campanha internacional pela liberdade do ex-presidente Luiz Lula Inácio da Silva. A presidente da legenda, Glesi Hoffmann, chegou a dizer que Lula corre risco de vida.

Já o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas, defende até que o candidato à Presidência derrotado no segundo turno, Fernando Haddad, assuma a linha de frente dessa mobilização, com viagens ao exterior. O partido, porém, pretende reservar para Haddad o papel de articulador de uma frente democrática de resistência ao governo Jair Bolsonaro (PSL). Lula

– Queremos fazer a construção de uma forte solidariedade internacional da causa democrática passando principalmente pela liberdade de Lula, com quem nós nos preocupamos muito nesse contexto – afirmou Gleisi, após reunião da executiva do partido para discutir os rumos da legenda após a eleição.

A dirigente do partido lembrou do discurso feito por Bolsonaro no dia 21 transmitido para seus apoiadores que se reuniam na Avenida Paulista em que o então candidato do PSL falava que Lula iria “apodrecer na cadeia”.

– Tememos, inclusive, pela vida do presidente. Precisamos deixar um alerta à sociedade: Lula tem direito a um julgamento justo.

Ex-chefe de gabinete de Lula na Presidência, Gilberto Carvalho também entende que o ex-presidente corre risco.

– Temos que tirar o Lula de lá. Os riscos das condições carcerárias dele piorarem, com base nas falas do Bolsonaro, são reais.

Para Vagner Freitas, Haddad deveria usar a força que adquiriu nas urnas no movimento em favor de Lula.

– Ele sai com a maior liderança da esquerda brasileira e habilitado para conduzir o PT, ser a grande liderança do partido nos próximos anos, com 47 milhões de votos. Nossa proposta é utilizar essa enorme autoridade política que ele tem para ser o grande condutor dessa campanha Lula livre.

Mas Gleisi entende que a atuação de Haddad teria mais força no âmbito nacional.

– Mas subsidiariamente ele pode ter uma ou outra viagem (para defender a libertação de Lula) – ressalvou.

Na reunião, foi feito um relato da avaliação que Lula fez sobre a disputa eleitoral em conversa, na segunda-feira, em sua cela na Superintendência Federal do

Paraná com o tesoureiro do PT, Emidio de Souza, e com o advogado Luiz Eduardo Greenhalgh. O ex-presidente mostrou preocupação com a queda da votação do

partido no Rio e em Minas, além da manutenção mau desempenho em São Paulo. Também disse que a direção do PT precisa ler o resultado da eleição e

descobrir formas de retomar o diálogo com a base. Por outro lado, celebrou o desempenho no Nordeste. Lula também reforçou a importância que a Haddad deve ter a partir de agora na legenda.

– O Fernando Haddad, no nosso entender, tem um papel muito importante e relevante nesse processo, que é um papel maior que o PT, porque ele sai depositário da esperança e da luta do povo pela democracia – afirmou Gleisi.

Adversária interna do candidato, a presidente do PT garantiu que ele terá espaço para atuar e trabalhar na construção de uma aliança com outras legendas e grupos da sociedade. Destacou, porém, que Haddad é um grande liderança, “depois de Lula”.

– O PT vai dar todas as condições para o Fernando Haddad exerça esse papel de articulador junto com outras lideranças sociais e lideranças de partidos políticos para consolidar essa frente de resistência.

Gleisi ainda atrelou a vitória de Bolsonaro ao processo de impeachment sofrido pela presidente Dilma Rousseff em 2016, retomando o discurso do golpe.

– A vitória de Jair Bolsonaro consolida o golpe que foi inciado com o impeachment da Dilma.

Para a presidente do PT, a vitória do presidente eleito foi obtida por meio de “fraude no processo eleitoral”, com o uso de fake news e disparo de mensagens de

Whatsapp bancado por empresários. Gleisi, porém, foi cautelosa ao ser indagada se a chapa deveria ser cassada:

– Isso é a Justiça que vai definir avaliando o processo

Apesar de Lula ter afirmado aos petistas,na segunda-feira, que uma avaliação mais correta dos rumos do governo Bolsonaro só poderá ser feita ao final do primeiro semestre do próximo ano, o partido decidiu que já deve começar uma ofensiva de oposição. No momento, a prioridade será barrar a votação do projeto de reforma da Previdência do governo Michel Temer.

– Tem uma pauta a ser enfrentada já no Congresso. Há um grande acordo entre Bolsonaro e Temer acontecendo – afirmou Alexandre Padilha, vice-presidente do PT e deputado eleito.

O partido também pretende montar uma rede para colher relatos de atos de violências por intolerância política ou desrespeito aos direitos humanos pelo país.


Leia a notícia completa em O Globo PT vai retomar campanha para soltar Lula e vê vitória de Bolsonaro como consolidação do golpe

O que você pensa sobre isso?