Piracicaba tem 8,5 mil novos automóveis: 'Na contramão da mobilidade urbana', diz Observatório


Levantamento da Semuttran indicou 288,6 mil carros e motos em julho de 2018; Frota de veículos pesados, ônibus e caminhões, registrou queda em um ano. Horários de ônibus serão alterados no feriado em Piracicaba
Carol Giantomaso/G1
Piracicaba tem novos 8.578 automóveis em circulação na cidade entre julho de 2017 e julho deste ano, quando o município atingiu a marca de 288.643 carros, caminhonetes e motos, que integram a categoria de veículos leves, de acordo com levantamento feito pela Secretaria de Trânsito e Transportes (Semuttran) a pedido do G1. No sétimo mês do ano passado, eram 280 mil unidades. Um aumento de 3% no período.
O aumento do número de automóveis no período indica que a cidade está na contramão da mobilidade urbana sustentável, segundo análise do Observatório Cidadão de Piracicaba (SP). A frota de ônibus do transporte público coletivo atual é de 230 veículos, segundo a Prefeitura.
A frota de automóveis registrou altas consecutivas nos últimos três anos. Em 2016, a cidade tinha 174.610 carros, motos e caminhonetes. O número de veículos leves passou para 178.884 no passado.
“Neste sábado (22), foi celebrado o Dia Nacional sem Carro”, lembrou membro do Observatório Cidadão e Coordenador de Políticas Públicas do Imaflora, Renato Morgado. “Entretanto, temos políticas e uma cultura que privilegia o uso cotidiano e individual do automóvel ao invés da valorização do transporte público, do uso de bicicletas e da caminhada”, criticou. “Isso tem graves consequências na qualidade de vida, na saúde e no meio ambiente”, completou.
O número de veículos pesados em circulação na cidade, entretanto, registrou queda no mesmo período comparativo. Em julho do ano passado, a cidade tinha 12.227 ônibus e caminhões em circulação e, no mesmo mês, neste ano, somam 11.994 unidades.
Veja mais notícias da região no G1 Piracicaba
Leia a notícia completa em G1 Piracicaba tem 8,5 mil novos automóveis: ‘Na contramão da mobilidade urbana’, diz Observatório

O que você pensa sobre isso?