Pastora presa por morte dos filhos no ES faz exame de gravidez em presídio de MG  

Juliana fez exame de sangue, que descartou uma suspeita de gravidez levantada pela defesa. Ela foi presa no dia 20 de abril, acusada de ter sido omissa.  Pastora Juliana Sales disse que foi para MG fazer um tratamento médico
Reprodução / InterTV
A pastora Juliana Sales, presa pela morte dos filhos Joaquim e Kauã, que foram carbonizados em um incêndio em Linhares, no Espírito Santo, continua no presídio de Teófilo Otoni, em Minas Gerais, nesta sexta-feira (13).
Nesta manhã (13), Juliana passou por um exame de sangue, que descartou a suspeita de gravidez levantada pela defesa dela na quarta-feira (11).
Segundo a Secretaria de Administração Prisional de Minas Gerais (Seap), ainda não há previsão para que ela seja transferida para o Espírito Santo.
Os filhos da pastora morreram em um incêndio no dia 21 de abril, em Linhares. Juliana e o marido, o pastor Georgeval Alves, estão presos acusados pelo homicídio dos meninos.
George, que é pai de Joaquim e padrasto de Kauã, foi acusado de estuprar, agredir e queimar as crianças. Já Juliana foi presa porque, segundo o juiz, foi omissa e sabia dos abusos que as vítimas sofriam.
Veja a cronologia da tragédia em Linhares
Veja, ponto a ponto, o que levou à prisão de pastora
Ordem de prisão
A ordem de prender a pastora partiu do juiz André Dadalto, da 1ª Vara Criminal de Linhares. De acordo com a decisão, Juliana sabia dos desvios de caráter do marido, e mesmo assim apoiava os planos dele de se promover na igreja.
Pastora virou ré porque foi omissa, diz promotora
Para o Ministério Público, assassinar os próprios filhos estava nos planos do casal. Seria uma tragédia a ser usada pelo pastor para se promover na igreja.
“O pastor George, em parceria com a pastora Juliana, buscava uma ascensão religiosa e aumento expressivo de arrecadação de valores por fiéis e, para esta finalidade, ceifou a vida dos menores Kauã e Joaquim para se utilizar da tragédia em seu favor”, diz a decisão.
Juliana também estava ciente sobre as diferenças de tratamento que George dava para os filhos e o enteado. A decisão diz que George deixava faltar alimento, medicamento e atendimento médico para as crianças.
O caso
Joaquim, de 3 anos, e Kauã, de 6 anos, morreram carbonizados dentro de casa, em Linhares, no dia 21 de abril. O marido de Juliana, o pastor George Alves, foi acusado de estuprar, agredir e queimar as crianças vivas. O terceiro filho da mulher não estava na casa no momento do crime.
Irmãos morreram carbonizados em incêndio em Linhares, ES
Reprodução/ TV Gazeta
Leia a notícia completa em G1 Pastora presa por morte dos filhos no ES faz exame de gravidez em presídio de MG  

O que você pensa sobre isso?