Obra de crianças de projeto social na Baixada é destaque na Elephant Parade Rio 2018


RIO – Um dos destaques da Elephant Parade Rio 2018, uma das maiores exposições a céu aberto do mundo, a partir de 1º de novembro em vários ambientes da cidade, será o elefante “De-Boa”, do artista visual Robnei Bonifácio. Patrocinado pelo Grupo Petra Gold, o artista retrata as ruas que ficam entre Nova Iguaçu e Belford Roxo, na Baixada Fluminense, tendo como base o projeto “Aula de Boa”, que acontece ao ar livre nas calçadas do bairro Boa Esperança, em Nova Iguaçu. Dentro do projeto, Robnei dá aulas de desenho para crianças de baixa renda, que ajudaram o artista na criação do elefante para a edição do evento deste ano.

A partir de 1º de novembro, o elefante estará na Cinelândia. O projeto Aula de Boa promove um encontro regular, desde 2016, ensinando desenho ao ar livre nas calçadas do bairro de Boa Esperança. A arte do elefante esteve, em outubro, exposta no BarraShoping e, em novembro, vai para a Cinelândia, exibindo impressões sobre as ruas que ficam entre Nova Iguaçu e Belford Roxo – já que o bairro dos alunos fica na divisa entre as cidades. A mostra conta com 60 esculturas de elefantes decoradas por artistas de várias regiões que transformarão o ambiente urbano em uma galeria a céu aberto. Elephant Parade Robnei Bonifácio

O evento terá também pinturas de cartazes coletados no subúrbio e Baixada pelo artista. Depois da exposição, o elefante vai a leilão, no dia 6 de dezembro, no Copacabana Palace. Cláudio Bento da Silva, que aparece na foto pintando uma parte do elefante, o primeiro aluno do projeto, é dos mais aplicados, segundo Robnei. Aos 14 anos, ele já participou de duas exposições coletivas: uma no Museu Cultural da Light e outra na UNISUAM de Bonsucesso.

A Elephant Parade foi fundada por Marc e Mike Spits, pai e filho, em 2006. O pai estava de férias na Tailândia quando conheceu um bebê elefante chamado Mosha, que havia perdido uma perna depois de pisar numa mina terrestre. O animal inspirou Marc e Mike a criar a Elphant Parade:

“Queríamos fazer algo estrutural, algo que seria rentável no longo prazo. Esta é a única maneira em que nós podemos fornecer ao elefante um futuro sustentável”, disse Marc numa das primeiras exibições.

Em 2007, a primeira exposição foi realizada em Roterdâ, na Holanda. Amigos do Asian Elephant Hospital, a “casa” da Mosha em Lanpang, foi uma das primeiras organizações a receber contribuições geradas pelo evento e até hoje continua a receber fundos para cuidar da mascote da Elephant Parade.


Leia a notícia completa em O Globo Obra de crianças de projeto social na Baixada é destaque na Elephant Parade Rio 2018

O que você pensa sobre isso?