O que revela a erupção vulcânica submarina mais profunda já descoberta


Imagens feitas por veículos robóticos usados para explorar a Fossa das Marianas, área mais profunda do planeta, permitiram a descoberta (Foto: BILL CHADWICK/NOAA/BBC)

 

 

 

 

A erupção de um vulcão é um fenômeno que sempre desperta interesse e apreensão. Mas os vulcões submarinos, que geram 80% das erupções no planeta, costumam passar despercebidos.

Ao menos até agora. Um grupo de cientistas da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA) descobriu a erupção vulcânica submarina mais profunda de que se tem registro.

Entre os especialistas, costuma-se dizer que sabemos mais sobre a superfície da Lua do que sobre o fundo do mar, portanto essa descoberta é um grande passo para uma maior compreensão do que acontece a milhares de quilômetros abaixo dos nossos pés.

Ao esfriar, a lava assume formas que parecem acolchoadas, como almofadas (Foto: BILL CHADWICK/NOAA/BBC)

 

Por acaso
Os cientistas do NOAA estavam explorando a Fossa das Marianas, a área mais profunda do planeta.

A formação está localizada no Oceano Pacífico, perto das Filipinas, e alcança 11.000 metros de profundidade.

É uma área muito pouco explorada, perto da fronteira de uma placa tectônica com uma cadeia de montanhas e vulcões.

Com a ajuda de veículos robóticos, os exploradores foram em busca de fontes hidrotermais, que são rachaduras por meio das quais a água quente flui de dentro da Terra.

A surpresa veio quando viram as imagens que os robôs haviam feito. Deram-se conta de que a cerca de 4.000 metros de profundidade havia acumulações de lava que, segundo seus cálculos, eram recentes – haviam se formado apenas alguns meses antes de as terem visto.

A lava submarina também tem aspecto de vidro (Foto: BILL CHADWICK/NOAA/BBC)

 

 

“Não estávamos buscando a erupção”, disse o pesquisador da NOAA, William Chadwick à BBC News Mundo, o serviço em espanhol da BBC. “Simplesmente tropeçamos nela.”

O fato de a erupção ter sido recente foi outra surpresa, pois aqueles que estudam erupções submarinas normalmente devem se guiar por erupções muito mais antigas.

Lava em almofada
A essas profundidades a água é gelada, ligeiramente acima do ponto de congelamento. Quando um vulcão entra em erupção, por sua vez, emana lava com temperatura em torno de 1.200ºC.

!function(s,e,n,c,r){if(r=s._ns_bbcws=s._ns_bbcws||r,s[r]||(s[r+”_d”]=s[r+”_d”]||[ ],s[r]=function(){s[r+”_d”].push(arguments)},s[r].sources=[]),c&&0>s[r].sources.indexOf(c)){var t=e.createElement(n);t.async=1,t.src=c;var a=e.getElementsByTagName(n)[0];a.parentNode.insertBefore(t,a),s[r].sources.push(c) }}
(window,document,”script”,”https://news.files.bbci.co.uk/ws/partner-analytics/js/pageTracker.min.js”,”s_bbcws”);

s_bbcws(‘partner’, ‘epocanegocios.globo.com’);
s_bbcws(‘language’, ‘portuguese’);
s_bbcws(‘track’, ‘pageView’);

Como é apenas uma erupção no meio de um oceano gelado, a água “domina a lava”, explica Chadwick. Assim, quando a lava esfria, forma-se uma crosta com aspecto de vidro que, em seu interior, continua a manter a lava quente por dias ou semanas.

As espécies que vivem no fundo do oceano enfrentam condições extremas (Foto: BILL CHADWICK/NOAA/BBC)

 

O resultado é o que os especialistas chamam de “lava em almofadas”, por sua forma acolchoada.

Como Chadwick descreve, essas “almofadas” se resfriam rapidamente e têm uma aparência de vidro, entre preto e brilhante.

No total, essa erupção formou uma rede de montes de lava em almofadas com mais de 7 km de comprimento.

Para Chadwick e sua equipe, as imagens obtidas são uma oportunidade para entender melhor como esses ecossistemas se comportam e como as espécies que os habitam conseguem se adaptar a condições com temperaturas extremas e altas pressões.

 

 
Leia a notícia completa em Época O que revela a erupção vulcânica submarina mais profunda já descoberta

O que você pensa sobre isso?