Nasa detalha seus planos de voltar à Lua por ordem de Trump


RIO – A Nasa anunciou nesta quinta-feira as empresas com as quais conta para desenvolver e fornecer soluções para levar astronautas de volta à Lua. O objetivo seria usar o satélite como “escala” para eventuais futuras missões tripuladas a Marte, conforme diretriz para a exploração espacial dos EUA assinada pelo presidente Donald Trump em dezembro do ano passado. As companhias competem por contratos com valor máximo total de US$ 2,6 bilhões (pouco menos de R$ 10 bilhões) nos próximos dez anos, com as primeiras missões podendo partir já no ano que vem.Em apresentação no quartel-general da agência espacial americana em Washington acompanhada pelo GLOBO, seu chefe, Jim Bridenstine, reafirmou que a ideia é voltar para a Lua para lá ficar, no que a iniciativa privada será fundamental. Links Nasa Lua – Quando formos de volta à Lua queremos ser os primeiros clientes de muitos de um mercado Terra-Lua – disse. – Vamos de modo que nunca fomos antes, distribuindo custos e riscos de forma que sejam menores do que seriam de outro jeito e fomentando a inovação, como estamos fazendo com a ISS (sigla em inglês para a Estação Espacial Internacional) com os voos comerciais de carga e, em breve, voos tripulados. Não planejamos ir e não mais voltar e nossos parceiros comerciais vão dar a resiliência necessária para este sistema.Segundo Bridenstine, a intenção primeira é focar na ciência, mas o projeto também deve abrir caminho para descoberta e exploração de recursos na Lua, seja para uso na Terra, no próprio satélite ou para as eventuais futuras missões tripuladas a Marte. Para tanto, ele estará a cargo da Divisão de Ciências da Nasa, e não da Divisão de Operações, que foi a responsável por tocar o programa Apollo, que levou astronautas para lá entre o fim dos anos 1960 e começo dos anos 1970.- Não só estamos anunciando empresas inovadoras das quais pretendemos comprar os serviços como também estamos dando uma resposta à comunidade científica que pedia por mais ciência na Lua – afirmou. – este é apenas o primeiro passo para cumprirmos a diretriz do presidente (Trump) de voltar à Lua e em última instância levar astronautas par Marte. E para isso precisamos saber quais são os recursos disponíveis na Lua e como usá-los.A princípio, nove companhias americanas foram selecionadas para o projeto, intitulado Serviço Lunar Comercial de Carga (CLPS): Astrobotic Technology, de Pittsburgh; Deep Space Systems, de Littleton, Colorado; Draper, de Cambridge, Massachusetts; Firefly Aerospace, de Cedar Park, Texas; Intuitive Machines, de Houston, também Texas; Lockheed Martin Space, também de Littleton, Colorado; Masten Space Systems, de Mojave, Califórnia; Moon Express, de Cabo Canaveral, Flórida; e Orbit Beyond, de Edison, Nova Jérsei.
Leia a notícia completa em O Globo Nasa detalha seus planos de voltar à Lua por ordem de Trump

O que você pensa sobre isso?