Guerra comercial: Senado dos EUA sinaliza que quer ter mais voz em decisões sobre tarifas

WASHINGTON – O Senado americano sinalizou nesta quarta-feira que quer ter mais voz nas decisões do governo dos Estados Unidos a respeito da imposição de tarifas sobre produtos importados. Por 88 votos a 11, os parlamentares aprovaram uma moção para que o Congresso participe mais dessas negociações. A medida, no entanto, é não-vinculante. Ou seja, não representa uma trava real às ações do presidente Donald Trump. No entanto, é vista como sinal de que os companheiros republicanos do presidente estão dispostos a contrariar Trump.ENTENDA: Os ataques e contra-ataques de EUA e China na guerra comercialLEIA MAIS: China diz que irá responder após EUA ameaçarem novas tarifasA moção foi aprovada um dia após o governo Trump anunciar tarifa de 10% sobre o equivalente a US$ 200 bilhões em produtos importados da China. Foi a mais recente ação de uma série de medidas que levaram as duas maiores economias a travarem uma guerra comercial. A medida foi incluída em uma instrução para legisladores encerrarem um conflito entre Senado e Câmara a respeito de um projeto sobre despesas.O movimento no Senado foi liderado por republicanos que acreditam que a estratégia agressiva do presidente pode prejudicar a economia americana, com perda de empregos e alta de preços. Bob Corker, Jeff Flake e Pat Toomey, todos do partido de Trump, lideraram o movimento. Líderes republicanos, no entanto, impediram a votação de uma legislação vinculante sobre o assunto.— Temos que ter o controle sobre um abuso da autoridade presidencial e restaurar a autoridade constitucional do Congresso a esse respeito — disse Flake, que é do Arizona.
Leia a notícia completa em O Globo Guerra comercial: Senado dos EUA sinaliza que quer ter mais voz em decisões sobre tarifas

O que você pensa sobre isso?