'Fran World Tour — Eu só preciso ser amada' investiga a liberdade criativa do corpo feminino


O figurino extravagante emoldura uma investigação inesgotável. Na ponta do
nariz vermelho, uma dúvida paira como motor constante para a inspiração e a
expiração no palco: num universo predominantemente masculino, como produzir
humor a partir de um corpo feminino? A questão embala o espetáculo “Fran World
Tour — Eu só preciso ser amada”, que estreia hoje no Teatro Candido Mendes, em
Ipanema. Montagem inédita dirigida por Natascha Falcão, o monólogo interpretado
por Rafaela Azevedo acompanha os conflitos internos de uma palhaça no lançamento
de uma turnê. E sempre volta à mesma pergunta, ainda que de forma implícita:
como (re)pensar a liberdade criativa das mulheres?

— O que move a peça é a força da palhaçaria feminina. A
tradição do circo é feita por palhaços homens. A maior parte dos espetáculos se
embasa num roteiro de gags e ações criados dentro desse contexto. Até
os figurinos, normalmente com calças e paletós, obedecem a essa lógica
masculina. Nosso pensamento se volta para as maneiras de driblar isso. Na
composição da minha palhaça, uso uma capa de rainha, a partir de um gosto
pessoal. Por que não? — ressalta a atriz, que deu início a uma pesquisa sobre
máscaras após integrar o Grupo Moitará, durante cinco anos. LEIA MAIS DE TEATRO

O resultado, agora, é uma dramaturgia pontuada por
questionamentos sobre desejos e padrões estéticos. Apesar do aspecto colorido e
lúdico, o solo não se estabelece como uma produção infanto-juvenil. Aqui, há
outra imagem a ser desconstruída.

— Realmente, existe esse lado muito forte de que palhaços falam para
crianças. Mas o diálogo se dá com todas as idades — defende Rafaela. —
Refletimos sempre sobre temáticas genuinamente humanas, usando o riso para
aproximar o público. Os questionamentos acontecem a partir do encontro e da
leveza. Os assuntos, porém, não necessariamente são leves.

Teatro Cândido Mendes: Rua Joana Angélica 63, Ipanema —
2525-1000. Ter, às 20h. R$ 40. 50 minutos. Não recomendado para menores de 14
anos. Até 18 de dezembro.


Leia a notícia completa em O Globo ‘Fran World Tour — Eu só preciso ser amada’ investiga a liberdade criativa do corpo feminino

O que você pensa sobre isso?