Especialistas já defendem a reforma da reforma da Previdência

2014_698585799-2014031891273.jpg_20140318.jpg

RIO – Se a série de mudanças e afrouxamentos das regras da proposta inicial da reforma da Previdência anunciada nos últimos dias for adiante, analistas acreditam que, em breve, o país precisará fazer uma reforma da reforma, já que o corte de gastos pensado inicialmente deve perder parte de sua capacidade. Para o economista especialista em previdência da USP Luis Eduardo Afonso, o próximo presidente, eleito em 2018, já terá a missão de unificar as regras do sistema, de forma a não haver distinção entre as categorias:

previdência_1104

— Servidores públicos e privados não podem ter formas de acesso diferentes ao benefício. As regras têm de ser universalizadas.

Para Luis Henrique da Silva de Paiva, pesquisador do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), há um peso forte das eleições de 2018 nas concessões que estão sendo feitas. Em sua opinião, com uma economia de gastos bem menor do que o projetado anteriormente, uma nova reforma será necessária em até oito anos:

— Creio que alguma melhora ainda vá ocorrer, mas será menor. Inicialmente, o governo falava em uma economia de R$ 800 bilhões em dez anos. Depois, com as modificações propostas, essa economia seria reduzida em R$ 150 bilhões. Com essa nova regra de transição, deve cair mais um pouco. Em longo prazo, as despesas vão continuar subindo mais do que o previsto na proposta inicial. Com isso, em até oito anos será necessário discutir uma nova reforma.

O economista do Ipea acredita que mudanças na Previdência devem ser feitas sempre no primeiro ano de mandato:

— O ideal é que se supere o tema de uma vez só. Nas reformas de 1995 a 1998, feitas pelo Fernando Henrique Cardoso, e na de 2003, do governo Lula, ocorreram suavizações, e hoje estamos aqui discutindo mudanças novamente

Source: O Globo

O que você pensa sobre isso?