Doador de medula óssea de Pão de Açúcar, em AL, é compatível com paciente dos Estados Unidos


Miguel de Oliveira é o 16º doador compatível cadastrado no Hemocentro de Arapiraca. Homecentro de Arapiraca comemora doação de medula óssea
Um doador de médula óssea cadastrado no Hemocentro de Arapiraca (Hemoar) é compatível com um paciente dos Estados Unidos. O alagoano de 34 anos que mora em Pão de Açúcar, no interior do estado, vai poder salvar uma vida fora do Brasil.
O Hemoar comemora o 16º doador de medula óssea compatível cadastrado no município. Miguel Oliveira, de Pão de Açúcar, é o 16º.
Parece pouco, mas o número é digno de comemoração. É que a para a realização de um transplante de medula óssea é necessário que haja total compatibilidade entre o doador e o recebedor da medula.
” A logística da medula óssea é diferente da doação de sague, ou seja, pra dar certo pra alguém é um em 100 mil. Foi o caso de ontem, o Miguel morador de Pão de Açúcar, que foi compatível com pra um receptor fora do Brasil, nos Estados Unidos”, explicou a assistente social do Hemoar, Ruth Neide.
De acordo com Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome), oito alagoanos já doaram medula óssea e 12 esperar por um doador compatível para fazer o transplante.
A assistente social Edineide Bidart explica que doação medula óssea não tem relação com coluna vertebral.
“Existe um mito que as pessoas tem aquele medo de vir doar por conta de achar que é a coluna vertebral. Então a gente trabalha em cima dessa divulgação, dessa sensiblidzação, mostrando realmente que não tem nada a ver a coluna vertebral com a questão a médula óssea. Isso tem sido um foco muito importante pra o resultado que a gente tá tendo. Uma demanda assim além das expectativas”, disse Edineide.
A vendedora Sibele de Oliveira Silva mora em Arapiraca. Foi ao salvar a vida do irmão que ela descobriu a importância de se tornar uma doadora de médula óssea.
“Dos nove irmãos, eu fui a única compatível com meu irmão que naquela época precisou. Fiz a doação. É super fácil, prático. Depois é só comemorar e agradecer a Deus por ter salvador a vida de alguém”, contatou Sibele.
A universitária Beatriz Gomes foi ao Hemoar e falou da doação.
“Se tem alguém proximo que precisa aí você sabe a necessidade. Você nem sabe o quão grande é ajudar alguém que precisa assim”, disse Beatriz.
O Hemocentro de Arapiraca faz campanha permanente para estimular a doação.
“O primeiro passo é a idade, 18 a 55. Não estar doente. Estar bem de saúde e não ter tido câncer ou HIV. A partir daí a gente faz a coletinha de 4ml e o endereço é o banco de dados do Instituto do Câncer, no Rio de Janeiro, que vai fazer a análise e a partir dessa análise é que vai se identificar há compatibilidade, explicou a assistente social do Hemoar.
E para ajudar na coleta, o ônibus do Hemoar percorre várias localidades em busca de doadores de sangue e de medula óssea.
Miguel Oliveira, doador de medula óssea, é compatível com pacientes nos EUA
Reprodução/ TV Gazeta
Veja mais notícias da região no G1 Alagoas
Leia a notícia completa em G1 Doador de medula óssea de Pão de Açúcar, em AL, é compatível com paciente dos Estados Unidos

O que você pensa sobre isso?