Corpo de economista Paul Singer é velado em SP

17816648_RI EXCLUSIVA Rio de Janeiro RJ 19-06-2012 O professor Paul Singer dá uma palestra na Cú.jpg

SÃO PAULO – Amigos e parentes se despediram, na manhã desta terça-feira, do economista e fundador do PT Paul Singer, em São Paulo. Aos 86 anos, Singer morreu na noite de segunda-feira, por volta das 20h, vitima de septicemia (a antiga infecção generalizada). Diagnosticado com Alzheimer há cerca de um ano, Singer estava afastado da vida política. Seu corpo foi velado no Cemitério Israelita do Butantã, na capital paulista.

LEIA: Morre Paul Singer, um dos fundadores do PT

LEIA: Políticos e intelectuais lamentam morte de Paul Singer, fundador do PT

Presente ao velório, o filosófo Arthur Gianotti lamentou a morte do amigo. Os dois mantiveram contato próximo desde que, nos anos 1950, ambos se tornaram parte de um grupo de discussões sobre marxismo do qual participaram outros intelectuais brasileiros, como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e a esposa, a antropóloga Ruth Cardoso:

— De todos nós, o Paulo, e nós sempre o chamamos de Paulo, era o mais militante, o mais ativo — disse Giannotti.

Para o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamoto, a morte de Singer representa uma “perda muito grande para o PT”. Segundo Okamoto, apesar da idade avançada, Singer não se esquivava das discussões políticas:

— O Paul foi atuante até o final, no que foi também extraordinário — disse Okamoto — Num mundo cada vez mais intolerante, fará falta alguém como ele, que era gentil.

De acordo com Okamoto, o ex-presidente Lula, que está preso na Polícia Federal, em Curitiba, ainda não foi avisado da morte de Singer:

— Mas, certamente, se pudesse, o presidente Lula estaria aqui, prestando suas últimas homenagens.

Além de Okamoto, compareceu ao velório o ex-presidente do PT, José Genoíno e o ex-ministro da fazenda Guido Mantega.

Singer foi o responsável pelas propostas econômicas de Lula quando o ex-presidente concorreu ao governo de São Paulo, nos anos 1980. E, mais tarde, em 2003, ocuparia o posto de Secretário Nacional de Economia Solidária, durante o primeiro governo Lula. De sólida formação marxista e ex-sindicalista, Singer defendia a formulação de politicas públicas que permitissem uma distribuição mais equitativa da renda.

Para o amigo Gianotti, sua morte chama atenção para um desafio que se impõe às esquerdas:

— A crítica que fizemos ao capitalismo era toda muito coerente. Mas, desde então, o capitalismo se transformou tão profundamente, que resta à esquerda a tarefa de reinterpretá-lo.

Viúvo, Singer deixa os filhos André, Helena e Suzana.


Leia a notícia completa em O Globo Corpo de economista Paul Singer é velado em SP

O que você pensa sobre isso?