Com alunos sem aula, Semed rescinde contrato com empresa de transporte escolar fluvial


Informação foi confirmada pelo secretário da Semed, César Licorio, na noite desta segunda-feira (24). Mais de mil estudantes de Porto Velho continuam sem ter como ir à escola. Transporte escolar fluvial continua sem previsão de retorno em Porto Velho.
Oswaldo Forte/ Comus
A Secretaria Municipal de Educação (Semed) rescindiu o contrato com a empresa Flecha Transporte, responsável pelo transporte escolar fluvial em Porto Velho, pelo não retorno do serviço. O secretário da Semed, César Licorio, confirmou a informação ao G1 na noite desta segunda-feira (24). Segundo ele, a Flecha já está ciente da decisão. “Ela foi notificada hoje. Eles não retornam o transporte. Do jeito que está, não resolve nunca”, disse o secretário.
Com isso, Porto Velho está prestes a entrar no último trimestre de 2018 com mais de mil estudantes correndo o risco de terminar o ano sem aula. O quadro envolve valores financeiros bloqueados pela Justiça, contas desestabilizadas e greve por parte dos trabalhadores que operam o transporte escolar fluvial no município.
Apesar disso, a Flecha Transporte espera que a Justiça Federal analise e destrave os valores financeiros que a empresa tem direito.
“Nós já falamos com o juiz federal responsável e com a Procuradoria-Geral da República (PGR) para que o valor de R$ 2 milhões seja desbloqueado. Se a empresa não receber não haverá a possibilidade de tocarmos o serviço”
“Mas afirmamos que a empresa não está se negando a prestar o serviço”, disse o advogado.
Para a defesa da Flecha, a legalidade da rescisão do contrato era discutível, pois o prazo para a Flecha apresentar uma justificativa sobre a ausência do serviço de transporte venceu no dia 22 de setembro. A promessa é de que as justificativas da empresa seriam apresentadas ainda nesta segunda-feira (24).
Vigência
A vigência do contrato de prestação de serviço entre a Prefeitura e a Flecha é até março de 2019, segundo o advogado da empresa. Ainda conforme a defesa, a Prefeitura só repassou metade de um valor previsto de R$ 822 mil, efetuado no dia 4 setembro.
Dias antes, no fim de agosto, uma nova paralisação atingiu 85% do transporte escolar fluvial em Porto Velho, prejudicando mais de mil estudantes. Os funcionários ainda não retomaram o serviço alegando atraso de salários.
A Semed, por sua vez, chegou a afirmar que o valor de R$ 411 mil foi estipulado após recalculo sugerido pela Corregedoria Geral do Município (CGM).
“A empresa não tem domínio sobre os infortúnios envolvendo a decisão judicial que bloqueou os bens dela e resultou na prisão de funcionários públicos e membros da empresa. Devido a terceiros, a empresa não tem como executar o serviço sem dinheiro”, lamenta o Leo Fachin.
No total, a defesa da empresa estima que os valores bloqueados sejam R$ 6,71 milhões.
Entenda o impasse:
FlechaTur é denunciada na Operação Ciranda
FlechaTur tem bens bloqueados após deflagração da operação
MP-RO e MPF movem ação civil pública para definir o rumo dos serviços de transporte escolar fluvial em Porto Velho
Transporte fluvial deveria voltar em 12 dias após a liberação dos valores à empresa
Em julho, nova paralisação atinge ao menos 80% de estudantes de seis comunidades ribeirinhas. Maioria não conseguiu terminar o ano letivo de 2017
20 escolas municipais e estaduais que dependem dos transportes terrestre e fluvial ficam sem aula
Em 16 de julho, Justiça Federal determina desbloqueio dos recursos financeiros da FlechaTur
1,2 milhão são liberados na conta da empresa para cumprimento do novo acordo
Prefeitura fica de repassar ainda mais de R$ 700 mil
Em segunda audiência, é decidido que transporte deveria ser retomado até 6 de agosto
No fim de agosto, nova paralisação atinge 85% do transporte escolar fluvial em Porto Velho, prejudicando mais de mil estudantes
Em 4 de setembro, Semed efetiva metade do valor de repasse acordado em julho, cerca de R$ 411 mil
Dois dias depois, Justiça determina retomada imediata das atividades da FlechaTur
Empresa não garante retorno confessando dificuldades financeiras
Em 24 de setembro, Semed rescinde contrato com empresa pelo não retorno dos serviços
Leia a notícia completa em G1 Com alunos sem aula, Semed rescinde contrato com empresa de transporte escolar fluvial

O que você pensa sobre isso?