Chile condena ex-comandante do Exército por crimes da ditadura militar


SANTIAGO — Um juiz chileno condenou nesta sexta-feira o ex-comandante do Exército, Juan Emilio Cheyre, por cumplicidade nos assassinatos de 15 pessoas durante os primeiros anos da ditadura militar comandada por Augusto Pinochet. Cheyre, de 70 anos, foi condenado a três anos e um dia de prisão domiciliar.

O ex-comandante é a mais alta figura das Forças Armadas a ser condenado por abusos cometidos depois que Pinochet derrubou o regime do presidente Salvador Allende num golpe militar em 1973. Cheyre se tornou uma figura emblemática na transição para a democracia que teve início em 1990. Como comandante do Exército, ele foi o primeiro a pedir desculpas pelos excessos cometidos pelos militares no passado.

No entanto, seu gesto foi manchado por uma investigação que comprovou seu envolvimento na famosa “Caravana da Morte”, que atravessou o país nos meses que sucederam o golpe, ordenando o assassinato de nomes da esquerda chilena.

ChileApesar de uma reticência inicial por parte das autoridades, que temiam reabrir velhas feridas da sociedade chilena, mais de mil ex-agentes, soldados e colaboradores do regime de Pinochet foram condenados por abusos de direitos humanos. O general, que comandou o Chile entre 1974 e 1990, morreu em 2006 sem ter sido condenado por qualquer crime cometido durante sua passagem pela Presidência.

Mario Carroza, o juiz responsável pela investigação, afirmou a repórteres que a condenação de um ex-comandante do Exército ilustra o sistema de Justiça igualitário que o Chile mantém atualmente.

— Foi uma investigação extensa e complexa, principalmente porque não tivemos a cooperação dos envolvidos — afirmou o juiz.

Após a derrubada de Allende, Cheyre atuou como adjunto do comandante do regimento de infantaria na cidade litorânea de La Serena, a 470 km da capital, Santiago. Lá, ele testemunhou o assassinato de 15 pessoas por soldados sob ordens da Caravana da Morte, que passou pela cidade em outubro de 1973. Ariosto Lapostol, ex-comandante do regimento de Arica, lotado em La Serena, foi condenado nesta sexta-feira pelo mesmo tribunal a cumprir 15 anos de prisão pelos crimes.

Estima-se que pelo menos 3.200 pessoas tenham sido assassinadas, e outras 28 mil torturadas durante a ditadura de Pinochet.


Leia a notícia completa em O Globo Chile condena ex-comandante do Exército por crimes da ditadura militar

O que você pensa sobre isso?