Cemig compra ações de bancos na Light por R$ 650 milhões, mas se mantém minoritária


RIO – A Cemig, estatal de energia de Minas Gerais, vai liquidar nesta sexta-feira uma operação de compra de ações da Light, que distribui energia elétrica em 31 municípios do Estado do Rio. Segundo executivos próximos à estatal mineira, os papéis correspondem a cerca de 2,7% do capital da distribuidora que estão em poder de veículos de investimentos de três instituições financeiras: Banco do Brasil, Banco Votorantim e Santander. No entanto, a empresa vendeu ações da Light na terça-feira para evitar que a distribuidora fluminense se torne novamente uma estatal. Os bancos exerceram uma cláusula do contrato estabelecido com a Cemig que obrigava a aquisição das ações pela mineira este ano, numa operação chamada de “put”. Segundo fontes, a Cemig desembolsará cerca de R$ 650 milhões para adquirir a parcela pertencente aos três bancos. A empresa pretende usar os recursos obtidos com a venda de ativos da Cemig Telecom, exatamente por este valor, em agosto deste ano. Como já era controladora da Light, com 48,7% do seu capital, a Cemig vendeu uma parcela de suas ações na última terça-feira para evitar que sua participação ultrapassasse 50%, o que tornaria a distribuidora do Rio também uma estatal. A operação foi feita por meio da Rio Minas Energia (RME), que integra o bloco de controle da Light, formada pela Cemig e os três bancos. A RME vendeu 2,13% das ações da Light por R$ 64,5 milhões. Dessa forma, a soma das participações da Cemig no capital social da distribuidora passou a ser de 49,99%, já com a aquisição dos 3% dos bancos. Ou seja, a Light não corre mais o risco de voltar a ser uma estatal. Enquanto aguarda a definição do seu próprio futuro pelo governador eleito de Minas, Romeu Zema, a Cemig continua levando adiante seu plano de reestruturação e venda de ativos. Com uma dívida de R$ 13,2 bilhões, a Cemig tem planos para vender vários ativos, inclusive a sua participação na Light, para melhorar sua saúde financeira. A atual gestão da empresa também estuda vender suas participações na usina geradora de Santo Antônio, no Rio Madeira. A estatal tenta ainda reequilibrar a situação financeira da Renova Energia, empresa voltada para fontes renováveis como eólica, solar e pequenas centrais hidrelétricas (PCHs). Zema tem declarado sua disposição em privatizar não só a Cemig mas também a Copasa, empresa estatal de saneamento. No entanto, indica que poderá optar por sanear as empresas antes de vendê-las. A Cemig é considerada a “joia da coroa” do governo de Minas Gerais. De acordo com especialistas, a continuidade do programa de reestruturação e venda de ativos poderá aumentar o seu valor de mercado com aumento de rentabilidade e resultados e redução do endividamento.No terceiro trimestre do ano a companhia fechou com um lucro líquido de R$ 300 milhões, contra um prejuízo de R$ 60 milhões em igual trimestre do ano passado. Nos nove primeiros meses de 2018, a companhia acumula um lucro líquido de R$ 998 milhões, 131,6% superior ao do mesmo período do ano passado, que foi de R$ 431 milhões.
Leia a notícia completa em O Globo Cemig compra ações de bancos na Light por R$ 650 milhões, mas se mantém minoritária

O que você pensa sobre isso?