Campanha de deputados federais eleitos pelo Paraná custou menos do que em 2014


Os 30 deputados federais que ocuparão as cadeiras reservadas ao Paraná na Câmara dos Deputados a partir de 2019 gastaram R$ 13 milhões a menos nas suas campanhas do que aqueles eleitos no pleito de 2014. A comparação foi feita a partir de dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), levantados pela Gazeta do Povo nesta quarta-feira (7) – um dia após o prazo dado aos candidatos para apresentação das suas contas finais de campanha.
Na eleição de 2014, os 30 eleitos gastaram, juntos, quase R$ 50 milhões (R$ 48.651.822,65). Na eleição de 2018, o custo da campanha foi menor: juntos, os 30 eleitos registraram uma despesa de aproximadamente R$ 35 milhões (R$ 35.581.830,71). A diferença, portanto, é de exatamente R$ 13.069.991,94, sem correção inflacionária.
O barateamento das campanhas já era esperado, em função das alterações feitas na legislação eleitoral entre um pleito e outro. Em 2014, os candidatos tinham um leque maior de financiadores. Naquele ano, as doações de empresas ainda eram permitidas. Em 2018, sem o financiamento privado, as campanhas foram bancadas por dinheiro público (através dos partidos políticos), por doações de pessoas físicas e pelo dinheiro dos próprios candidatos.
LEIA MAIS:
Requião ironiza Moro sobre caixa 2 de colega: vou propor o “perdão” no Direito brasileiro

Outro fator de barateamento foi o limite de gasto previamente estabelecido pelo TSE. Cada candidato a deputado federal pelo Paraná em 2018 podia gastar, no máximo, R$ 2,5 milhões. Na eleição anterior, o teto era definido pelos próprios políticos, que geralmente informavam valores superestimados. Se o teto estabelecido para as recentes campanhas tivesse vigorado já em 2014, sete integrantes da bancada do Paraná eleita naquele ano teriam ultrapassado o limite. O deputado federal Alfredo Kaefer (PP), que não conseguiu se reeleger agora, gastou quase R$ 5 milhões em 2014 – o maior volume entre os vencedores daquele pleito.
Em 2018, a campanha mais cara entre os eleitos da bancada do Paraná foi de Luiz Nishimori (PR), que já ocupa uma cadeira na Câmara dos Deputados. Nishimori informou uma despesa de R$ 2.429.475,40, valor próximo do teto de R$ 2,5 milhões. Logo atrás, está a também reeleita Christiane Yared (PR), que gastou R$ 2.421.196,43. Ambos foram abastecidos fortemente pelo Partido da República (PR). De modo geral, os filiados que já detinham mandato eletivo acabaram na lista de prioridades das legendas partidárias, no momento da distribuição do dinheiro. 
DE BRASÍLIA: Na bancada do Paraná, Bolsonaro tem “aliados de primeira ordem”

Apesar do volume de recursos injetados na campanha, tanto Nishimori quanto Yared receberam agora menos votos do que em 2014. O primeiro perdeu mais de 30 mil votos. Já Yared, que quatro anos atrás tinha sido a mais votada entre os paranaenses, perdeu mais de 90 mil votos nas urnas. Na eleição deste ano, o candidato mais votado da bancada do Paraná, Sargento Fahur (PSD), figura entre aqueles que menos gastaram na campanha: R$ 165.456,82. Já Felipe Francischini (PSL), o segundo mais votado, foi quem menos gastou entre todos os 30 eleitos, apenas R$ 10.712,30.
Confira o custo da campanha de cada deputado federal eleito pelo Paraná em 2018:

Luiz Nishimori (PR) R$ 2.429.475,40
Christiane Yared (PR) R$ 2.421.196,43
Ney Leprevost (PSD) R$ 2.308.183,23
Giacobo (PR) R$ 2.154.946,99
Luciano Ducci (PSB) R$ 2.030.222,77
Toninho Wandscheer (Pros) R$ 2.028.707,01
Ricardo Barros (PP) R$ 1.994.812,04
Luísa Canziani (PTB) R$ 1.959.852,48
Sérgio Souza (MDB) R$ 1.869.971,97
Hermes Parcianello (MDB) R$ 1.768.591,30
Aliel Machado (PSB) R$ 1.467.022,00
Pedro Lupion (DEM) R$ 1.297.157,33
Rubens Bueno (PPS) R$ 1.264.162,11
Gleisi Hoffmann (PT) R$ 1.230.638,41
Paulo Martins (PSC) R$ 1.122.505,52
Schiavinato (PP) R$ 1.102.463,75
Zeca Dirceu (PT) R$ 1.002.642,54
Ênio Verri (PT) R$ 956.859,16
Leandre (PV) R$ 884.824,42
Luizão Goulart (PRB) R$ 772.723,85
Sandro Alex (PSD) R$ 747.095,19
Aroldo Martins (PRB) R$ 655.750,00
Gustavo Fruet (PDT) R$ 580.766,21
Diego Garcia (PODE) R$ 506.528,12
Filipe Barros (PSL) R$ 375.623,55
Boca Aberta (Pros) R$ 250.000,01
Sargento Fahur (PSD) R$ 165.456,82
Vermelho (PSD) R$ 133.384,45
Aline Sleutjes (PSL) R$ 89.555,35
Felipe Francischini (PSL) R$ 10.712,30

Let’s block ads! (Why?)
Leia a notícia completa em Gazeta do Povo Campanha de deputados federais eleitos pelo Paraná custou menos do que em 2014

O que você pensa sobre isso?