Bolsonaro promete fuzis, e Alckmin, tratores a agricultores em Brasília

BRASÍLIA — Em um duelo para conquistar produtores do Cerrado em uma feira de tecnologia, agricultura familiar e cooperativas do Programa de Assentamento do Distrito Federal, no entorno de Brasília, o pré- candidato à Presidência do PSL, Jair Bolsonaro, prometeu distribuir fuzis para cada produtor rural e, em resposta, o ex-governador Geraldo Alckmin, pré-candidato do PSDB, que chegou minutos depois, disse que, se eleito, em vez de fuzis, distribuirá tratores. Bolsonaro chegou primeiro ao evento, mas foi Alckmin quem mais tempo gastou na visita aos stands e em reuniões com os produtores que hoje têm uma preocupação mais urgente: derrubar a cobrança de valores retroativos do passivo do Funrural, que pode chegar a R$17 bilhões.

— No que depender de mim, o produtor rural vai ter um fuzil em sua propriedade. Isso não é ser radical. Eu seria inconsequente e irresponsável de deixar o homem do campo desarmado e a mercê do MST e outras bandidagens — disse Bolsonaro.

O deputado defendeu a tipificação das ações do MST como terrorismo e prometeu continuar fazendo a reforma agrária para a agricultura familiar, mas informou que não vai tolerar invasões de propriedades para forçar desapropriação. Bolsonaro disse ainda que o agronegócio vive uma crise de segurança e por isso tem uma boa aceitação no setor. Segundo o deputado, o fato de ele ser capitão do Exército também ajuda.

O tucano contestou o adversário:

— O Bolsonaro disse que vai distribuir fuzis. Eu vou distribuir é trator. O que o produtor rural precisa é produzir e, para isso, não precisa de fuzis, mas de tratores — rebateu Alckmin ao chegar na feira.

Sobre alianças para a eleição de outubro, Bolsonaro zombou da formação de um bloco de centro para barrar sua candidatura — DEM, PP, PR, SD entre outros. Mas fez um aceno ao PR.

— Estão se unindo para levar um tiro só. Eles não me procuraram porque sabem que eu não vou conversar no escondidinho, no mato, com eles. Mas se o PR quiser compor comigo, me cedendo o Magno Malta, seria excepcional. Se depender de mim, ele será meu vice a partir de hoje — prometeu.

Sobre a disputa do PSDB com o PDT de Ciro Gomes para atrair os partidos do centro, Bolsonaro disse que está fora dessa disputa e está preparado para vencer todos:

— Estou preparado para entrar em campo e ser campeão. E quem entrar em campo a gente traça — disse, ao ser questionado se se sentia ameaçado por Ciro Gomes, que está herdando parte dos eleitores de Lula.

No final da visita, um grupo de militares fortemente armados pediu para tirar uma foto com Bolsonaro.

— Bora, façam cara de homem. Vamos subir aquela rampa ou não vamos? — disse aos militares do Batalhão Rural.

Alckmin atrasou sua agenda e chegou ao evento, propositalmente, após a saída de Bolsonaro.

— Se eu encontrasse o Alckmin aqui eu lhe desejaria boa sorte e poucos votos —disse Bolsonaro, rindo, ao som de gritos de “nosso presidente”.

Alckmim se reuniu com as lideranças rurais em uma sala e anotou uma a uma as reivindicações do setor: em primeiro lugar o pagamento do retroativo do Funrural e solução fundiária das concessões das terras onde trabalham há 40 anos por cessão do governo do Distrito Federal. Há um impasse entre os produtores, o Incra e o GDF sobre o preço de venda das terras.

— Contem conosco. Esse é o Brasil que dá certo. Precisamos fortalecer o empreendedorismo e o cooperativismo. E acima de tudo dar segurança jurídica — prometeu Alckmin.

Após a reunião, o tucano passeou pelos stands da Embrapa, de produtores de flores, produtores de frutas e verduras e no stand de produtores de carne e criadores de gado. Nesse stand, o jovem Francisco Censi, filho de produtores rurais, estava vestindo uma camiseta preta de “Bolsonaro presidente”. Tirou a camisa, vestiu-a pelo avesso, para tirar selfie com Alckmin.

— Alckmin é meu segundo voto — disse o garoto.

Ao final, Alckmin subiu em uma rampinha que tinha ao fundo uma plantação de girassóis. Perguntado qual dos candidatos gostaria de empurrá-lo da rampa que dava para o nada do outro lado, ele respondeu, rindo.

— Não sei, mas acho que tem uma fila querendo me derrubar!

Apesar da brincadeira, Alckmin rejeita a pesquisa da CNT/MDA que mostra uma retração de 3 pontos nas suas intenções de votos.

— Fica tranquila que não tem queda nenhuma não! — garantiu o tucano.

Ele disse que o novo calendário eleitoral é desfavorável ao fechamento de alianças, pois as convenções antes aconteciam em junho e agora foram adiadas para julho, quando só então as candidaturas vão ser definidas.

— Vai atrasar um mês, quem tem candidato tem pressa — comentou.


Leia a notícia completa em O Globo Bolsonaro promete fuzis, e Alckmin, tratores a agricultores em Brasília

O que você pensa sobre isso?