Bolsonaro confirma principais aliados como ministro em eventual governo


RIO – Na reunião com parlamentares eleitos do PSL nesta quinta-feira, o candidato à Presidência, Jair Bolsonaro, anunciou oficialmente três de seus mais próximos aliados como ministros para um eventual governo. O deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM), responsável pela articulação política da campanha, ficará com a Casa Civil; o general da reserva Augusto Heleno, que coordenou a elaboração do programa de governo, assumirá a Defesa, enquanto que Paulo Guedes, que ganhou a alcunha de “Posto Ipiranga” para assuntos econômicos, foi confirmado na pasta da Economia. BolsonaroOutros nomes têm sido ventilados para o ministério, mas Bolsonaro evitou a confirmação. Presidente do PSL, Gustavo Bebianno, é cotado para o Ministério da Justiça e também para a Secretaria da Presidência, e o produtor rural Luiz Antonio Nabhan Garcia para a pasta da Agricultura, que se unirá ao do Meio Ambiente. Questionado durante a coletiva sobre o ministério da Agricultura, Bolsonaro negou que haja uma confirmação. Em entrevista ao GLOBO nesta semana, Gustavo Bebianno adiantou que dos 15 ministérios de um possível governo Bolsonaro “quatro ou cinco” serão comandados por militares. Um deles seria o general Osvaldo Ferreira que comandaria a pasta da Infraestrutura. A reunião com parlamentares eleitos ocorreu às portas fechadas para a imprensa, mas transmitida ao vivo pela internet por seus apoiadores. O candidato chegou por volta das 15h30 ao Hotel Windsor, na Barra da Tijuca, para o encontro. Sob a escolta da Polícia Federal, Bolsonaro percorreu 350 metros em um carro blindado entre seu condomínio e o hotel, ambos localizados na Avenida Lúcio Costa, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio. A cúpula do PSL têm afirmado que Bolsonaro não negociará com “caciques” de partido, mas todo reforço à candidatura será feito “no varejo”, ou seja individualmente com nomes do centro-direita.
Leia a notícia completa em O Globo Bolsonaro confirma principais aliados como ministro em eventual governo

O que você pensa sobre isso?