Batalhão de choque da PM faz ação na Replan, em Paulínia, para garantir combustível para postos

Viaturas da Polícia Militar chegaram na maior refinaria da Petrobras por volta das 10h desta terça-feira. Motoristas de caminhão faziam protesto no local pedindo notas fiscais aos condutores de caminhões-tanque sob escolta Batalhão de choque da PM na Replan em Paulínia
Helen Sacconi/EPTV
Viaturas dos batalhões de choque e de ações especiais da Polícia Militar, além da Polícia Rodoviária Federal, fazem uma grande ação na Replan, a maior refinaria da Petrobras em Paulínia (SP), para garantir escolta aos caminhões-tanque que vão abstecer os postos de combustíveis nesta terça-feira (29).
A corporação informou à EPTV que os postos que receberão combustível são de toda a região de Campinas (SP). Os policiais chegaram na refinaria por volta das 10h, mas ainda não iniciaram as novas escoltas.
Caminhoneiros fazem protesto nas margens da Rodovia Professor Zeferino Vaz (SP-332) desde o início da greve, no dia 21 de maio. Na manhã desta terça, eles ainda fizeram bloqueio para verificar notas fiscais de carretas abastecidas que deixavam a refinaria, mesmo sob escolta policial.
O objetivo dos manifestantes era checar se o combustível e cargas de gás de cozinha seriam destinados a serviços essenciais. Essa movimentação também ocorreu nesta segunda-feira (28).
Até antes dessa ação da PM, somente caminhões-tanque escoltados para abastecimento de serviços essenciais estavam conseguindo abastecer na Replan, e também carretas particulares de alguns postos que conseguiram escolta.
De acordo com o Recap, sindicato que responde por 1,4 mil postos em Campinas e outras 89 cidades do interior do estado de São Paulo, 90% dos postos estão secos na região. Nesta terça, a entidade entrou com uma ação na Justiça para ter escolta aos caminhões que vão abstecer os municípios.
Veja mais notícias da região no G1 Campinas
Leia a notícia completa em G1 Batalhão de choque da PM faz ação na Replan, em Paulínia, para garantir combustível para postos

O que você pensa sobre isso?