Ações da Air France caem mais de 10% no 14º dia de greve e após renúncia de diretor-geral

76012276_FILES This file photo taken on September 24 2014 shows an Airbus A318-111 with the Air Fran.jpgPARIS — As ações da Air France registraram forte queda nesta segunda-feira após a renúncia do diretor-geral Jean-Marc Janaillac e a advertência do governo francês de que a principal empresa aérea do país poderia entrar em colapso. Na abertura dos mercados franceses, as ações da empresa caíram quase 13%, mas se recuperaram ligeiramente conforme avançou o pregão. Por volta do meio-dia (hora de Paris), os papéis estavam cotados a € 7,31, uma queda de 9,7%. O preço das ações se viu afetado com o anúncio feito por Janaillac, na noite de sexta-feira, de que estava deixando a empresa depois que os trabalhadores rejeitaram a última proposta salarial da companhia.

LEIA MAIS:

Diretor da Air France se demite após funcionários rejeitarem acordo salarial

Dólar opera em alta e encosta nos R$ 3,55; Bolsa sobe 0,57%

Enquanto isso, uma nova greve nesta segunda-feira causou o cancelamento de 15% dos voos da companhia em todo o mundo. O número de funcionários em greve parece estar diminuindo ligeiramente no 14º dia de paralisação nos últimos meses, mas o movimento já causou à companhia mais de € 300 milhões (US$ 360 milhões) em questão de semanas. As greves causaram a Air France um dano maior do que o esperado pelos investidores e pela direção, e a empresa prevê uma receita “marcadamente” menor este ano em comparação a 2017.

Os sindicatos reivindicam um reajuste salarial de 5,1% este ano, argumentando que a companhia aérea obtém lucros suficientes para atender sua demanda. Eles apontam que seus salários foram congelados desde 2011, quando a companhia cortou empregos durante um processo de reestruturação. A Air France, por sua vez, argumenta que as reivindicações sindicais poderiam eliminar os lucros obtidos graças à reestruturação, cujo objetivo era impedir anos de perdas e manter a Air France à tona.

No domingo, o ministro francês de Finanças, Bruno Le Maire, disse que o governo, que detém 14% das ações da Air France, não resgatará a companhia. E pediu que pilotos, tripulação e equipes de terra em greve sejam “responsáveis”, acrescentando que “a sobrevivência da empresa está em jogo”.

“A Air France desaparecerá se não houver um esforço concentrado para ser competitiva”, disse Le Maire à rede de TV BFM.


Leia a notícia completa em O Globo Ações da Air France caem mais de 10% no 14º dia de greve e após renúncia de diretor-geral

O que você pensa sobre isso?